09 agosto 2012

MOMENTO DE POESIA



Arranquei-lhe um beijo
como se arranca uma esperança
dessas que se planta, rega, nasce e suplanta
Seus olhos arregalados me devoraram num susto profundo
Tão profundo quanto o beijo que lhe roubei
E minha língua roçando sua língua
seu estômago, seu pulmão, seu corpo, sua alma
E em pouco tempo nos tornamos nuvens
nuvens carregadas de poesia
Choveu poesia em nossos corpos
e nossos corpos suaram poesia
e quando acabou a poesia
A vida voltou ao mesmo inferno.

Henrique Rodrigues Soares

Um comentário:

  1. Poema incrível. Palavras ricas e fortes. Parabéns ao autor. SENSACIONAL!!
    Um abraço!!
    Aguardo as novidades do blog...

    ResponderExcluir

Fique a vontade para comentar. Só não vale deixar a santa e boa Ética de lado. Obrigada!