11 dezembro 2011

A madrugada é fria


A madrugada é fria


A madrugada é fria demais para quem está sozinho


Os perigos estão em todos os lados


A escuridão é a visão


As horas se tornam anos intermináveis


Ninguém vai aguentar ver o nascer do sol


Os gritos perdidos na noite sem dono percorre cada rua vazia, mas cheia de temor.


Um olhar perdido entre tantos revelam a indiferença de quem sempre esteve só nas madrugadas.


E ninguém vai entender ele.


Um comentário:

  1. A solidão de quem sofre sem amor sem atenção são muitos em nossas ruas, velhos e meninos,
    são invisíveis, vivemos uma sindrome da "Humanite aguda" muitos quando são percebidos
    não há um envolvimento pelos demais, tudo é superficial, esmola de olhar, esmola de afeto.
    Há um vázio... há um frio no amor e no amar.
    Jesus nos avisou: O amor de muitos se esfriará.
    Se o homem não nascer de novo nada mudará. O que
    nascido da carne é carne, o que é nascido do Espírito é Espírito...Anhy belo poema, nós faz
    refletir precisamos mudar e muito....

    ResponderExcluir

Fique a vontade para comentar. Só não vale deixar a santa e boa Ética de lado. Obrigada!