22 setembro 2011

Dá uma olhada

Lira 

Lira Jr nasceu aos 22 de março, sob o signo de Áries. Seu espírito rebelde enriquece ainda mais sua poesia, tornando-se ainda mais interessante, quando ele junta uma enorme dose de irreverência ao doce amargo de suas lembranças. Lira Jr também é autor, junto com seu pai Raimundo Costa Lira, do livro Poesias Pra Ninguém Ler - a poesia dos liras, outra deslumbrante obra poética que começou a escrever em 1998 e só revelada ao público no final de 2010, fato que fez dele ocupante da 15ª cadeira da Academia de Letras do Alto Turi (ALEAT). 

Galera confere ai no SIte o novo livro dele.. E caso voce se interesse é só clicar.. 

http://www.protexto.com.br/livro.php?livro=373

Você e Seu filho

Passe tempo com seu filho!


Ensina teu filho no caminho que deve andar, para quando for grande não se desvie dele.

Eles Precisam de sua atenção! E quando passares tempo com ele, não o critique, o ensine, eduque, aprenda sobre ele.. 

Inliberdad


Unfrei                                       


             bedava değil                         


ne quid                                         


nie vry nie    

hindi libre      
 
 
 

Seja LIvre

Lembranças do futuro
Guardo lembranças
De algo que nem aconteceu
Mais tenho esperança
Minha fé não morreu

Relembro o que eu queria viver
Uma tempestade de pensamentos
Eu me esqueço de esquecer
Relembrando em todos os momentos

É normal ter lembranças do passado
Estranho É lembrar o futuro
Imaginar alguém do lado
É um modo de ser imaturo

Mais prefiro essas recordações
Do que olhar pra minha história e lamentar
Imaginar meu futuro me provoca boas sensações
Muito melhor do que meu passado relembrar

Lembranças do futuro existem sim
Momentos que não quero esquecer
É melhor para mim
Relembrar o que eu queria viver

Revirar o baú da eternidade
Não me faz mudar de ideia
Não altera minha felicidade
Muito menos me faz ficar velha

Tenho lembranças do futuro
E quando o futuro chegar?
Guardarei memórias de um futuro passado que conseguir lembrar!



( Anhy Menires)

Um FArelo


Um farelo de arroz

Um farelo de arroz é o que ele quer
Talvez enganar a fome
O tio dele está farto
Mais esse menino mal tem nome

Ele tem uma muda de roupa
Um carrinho
   Uma vida louca
    Sem comida, brinquedo ou carinho.


     Farinha com café
                               Todo dia quando tem
Mais o tamanho de sua fé
É o que lhe motiva para ser alguém


Ei tio, dê um farelo de arroz para esse menino.
Deixe-o comer de sua fartura
Ele não é um cachorro para comer de suas migalhas
Mais já que isso é o máximo de sua bondade
Dê apenas um farelo de arroz


(Anhy Menires)

01 setembro 2011

A escalada


Sempre haverá uma outra montanha
Eu sempre vou querer movê-la
Sempre vai ser uma batalha difícil
Às vezes eu vou ter que perder
Não é sobre o quão rápido chegarei lá
Não é sobre o que está me esperando do outro lado
É a escalada.
 
 ( The Climb)

Curiosidade



Você sabia que
… que no Egito, a vaidade pessoal era considerada uma ligação entre o divino e o terreno. Que os egípicios raspavam a cabeça para usar perucas. Acreditava-se que os traços usados na maquiagem tinham um significado esotérico, realçando a clarividência das pessoas maquiadas. Loções e tinturas e vários itens de maquiagem foram, inclusive, encontradas nas tumbas dos faraós, cuidadosamente guardadas em caixas de cosméticos com divisórias e gavetas práticas e funcionais.

que a partir do século VIII redimiu certa vaidade na Itália, onde autores como Dante voltaram a buscar a perfeição estética sem culpa. Foi quando ali surgiram os desenhistas de moda, os populares estilistas de hoje, que naquela é poca se destacaram ao criar modelos e estampas de tecidos com muita imaginação e sofisticação.

A borboleta



A borboleta
Um homem, fazendo um passeio no parque, encontrou um casulo de uma borboleta.

Como tinha curiosidade para ver como a borboleta se desenvolveria, levou o casulo para casa.

Um dia, o homem notou que um pequeno buraco apareceu no casulo.

Ele sentou e ficou observando a pequena borboleta, que por horas, fazia muita força, tentando sair do pequeno buraquinho.

Então, depois de algum tempo, a pequena borboleta cessou sua luta para sair, demonstrando que aquele ponto era o máximo onde ela conseguiria ir.

Vendo a dificuldade da pobre criatura, ele resolveu ajudá-la.

Pegou uma tesoura e cortou fora parte do casulo que faltava para que todo o corpo da borboleta saísse, e a libertou.

A borboleta, recebendo esta ajuda extra, saiu fácil do restante do casulo.

O homem notou que o corpo da borboleta estava inchado e muito pequeno e suas asas trêmulas.

Ele continuou a observar a borboleta, pois esperava que a qualquer momento as asas ficariam grandes, se expandiriam para suportar o peso do corpo e com tempo o mesmo desincharia.

O que ele esperava não aconteceu.

Ao invés disso, a borboleta ficou mutilada para o resto de sua existência e nunca vôou.

O que aquele homem, na sua inocência e cuidado não entendeu, foi que o processo da agonia de sair do casulo, para a borboleta, era necessário.

Passar por aquele buraquinho foi a maneira que Deus fez para que através dos movimentos, a borboleta exercitasse a passagem de fluidos pelo seu corpo ainda imaturo, ficando pronta para voar e alcançar a liberdade fora do casulo.

Algumas vezes este mesmo processo de agonia é o que exatamente nós estamos precisando em nossas vidas.
Se Deus permitisse que nós passássemos nossa vida sem obstáculos, ficaríamos aleijados como a borboleta.
Nós não seríamos fortes o suficiente e nunca poderíamos voar....
( Fonte desconhecia)

( Porque os homens mentem e as mulheres choram?)


Quando uma mulher dá de presente a outra um livro sobre desenvolvimento pessoal, aquela que recebe se sente homenageada e agradecida por ter ganho algo que vai ajudá-la a crescer. Mas um homem talvez se sinta insultado, achando que a mulher está tentando mostrar que ele não é bom do jeito que é. Talvez recuse o livro dizendo simplesmente "Não preciso de nada disso!", deixando-a ferida e desconcertada.
( Porque os homens mentem e as mulheres choram?)